Data: 15/12/2018 Tempo: 02min de leitura Categoria: Institucional Visualizações: 76 visualizações
Por: Observatório da Gastronomia

O Slow Food parte da premissa que o alimento é o principal fator de definição da identidade humana, pois o que comemos é sempre um produto cultural. Acreditamos que a informação e a educação são essenciais para que a sociedade entenda o potencial de transformação e o impacto gerado a partir de suas escolhas alimentares. Traduzindo em um conceito, o foco do movimento é a ecogastronomia, abrangendo questões agrícolas, culturais, ecológicas, históricas, políticas e socioeconômicas.

Nos últimos anos temos realizado no Brasil, com boa repercussão, atividades de ecogastronomia focado em jovens rurais, visando unir a filosofia Slow Food e enaltecer a sociobiodiversidade local, concretizando ideias que o movimento preza e conhecendo os territórios através do olhar das comunidades. É a gastronomia como ferramenta para sensibilizar jovens sobre a riqueza cultural que detêm, tendo suas próprias identidades valorizadas. Essa metodologia une o conhecimento contemporâneo dos cozinheiros aliados aos saberes tradicionais.

Pelo programa Capacitação para uma Gestão com Base em Resultados e Melhoria Contínua de Inovações em Políticas Públicas para o Combate da Pobreza Rural no Nordeste Brasileiro – Semear Internacional, celebrado entre o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), elaboramos a primeira publicação sobre o tema. Entitulado Ecogastronomia para Jovens rurais do Semiárido, o conteúdo com uma linguagem acessível e recheadas de receitas e belas imagens de dar água na boca visa registrar ações do Slow Food no nordeste, sistematizar as experiências realizadas pelo projeto e oferecer mais uma alternativa de convivência com o semiárido.

No adverso contexto de um modelo produtivo devastador que gera a perda da biodiversidade e das referências da cultura alimentar local e da vida no campo por conta de efeitos como contaminação por agrotóxicos, mudanças climáticas e desmotivação das gerações mais novas pela dificuldade de estabelecer renda, a sensibilização envolvendo os jovens rurais é uma estratégia bastante poderosa.

O material parte do semiárido e contribui para o fortalecimento das diversas esferas da rede Slow Food em todo o país como Aliança de Cozinheiros, Fortalezas, Comunidades do Alimento e Convívios. Também norteia diretrizes e metodologias replicáveis nos mais diversos contextos ao estabelecer diálogos que resultam em ações para se trabalhar nas áreas rurais, fortalecendo as relações entre campo e cidade e trazendo a ecogastronomia como prática para unir, inspirar e trocar experiências.

O lançamento desta cartilha contou com a participação de jovens representantes das comunidades, cozinheiros e a rede Slow Food, ocorrido na 9a Feira Baiana da Agricultura Familiar e Economia Solidária (FEBAFES), no dia 27 de novembro de 2018, na cozinha show do Parque de Exposições de Salvador/Bahia.

Acesse a cartilha aqui: Ecogastronomia para Jovens Rurais do Semiárido

Fonte: Slow Food Brasil

Também pode
te interessar:

Ciclo de workshops sobre produção, finanças e legislação com foco em alimentos é lançado pelo Senac SC
Data: 07/05/2021 Tempo: 02min Categoria: Institucional

Ciclo de workshops sobre produção, finanças e legislação com foco em alimentos é lançado pelo Senac SC

O Senac Corporativo apresenta mais uma ação do Senac Oportuniza, um ciclo de cinco workshops gratuitos com

A Linguiça como Patrimônio Imaterial
Data: 07/05/2021 Tempo: 01min Categoria: Opinião

A Linguiça como Patrimônio Imaterial

  Você sabia que a principal rua de Blumenau já foi chamada de Rua da Linguiça? Este fato nos mostra o quanto

Festival Brasil Sabor 2021 inova em formato híbrido
Data: 28/04/2021 Tempo: 01min Categoria: Gastronomia

Festival Brasil Sabor 2021 inova em formato híbrido

O Festival Brasil Sabor chega à sua 15a edição adaptando-se à realidade da pandemia, os pratos poderão ser servidos