Data: 15/07/2021 Tempo: 04min de leitura Categoria: Cadeia Produtiva Visualizações: 124 visualizações
Por: Cidasc

O mel Honig Haus, produzido em São Martinho, é o segundo em Santa Catarina a ser certificado com o Selo Arte. A nota técnica foi entregue pelo presidente da Cidasc, Plinio de Castro, e pelo diretor de Defesa Agropecuária, Diego Rodrigo Torres Severo, no dia 13 de julho. A solenidade foi prestigiada também por Marcos Roberto Pacheco, diretor de Desenvolvimento Institucional da Cidasc; Angela Zimmerman, gestora do Departamento Regional de Tubarão; Robson Jean Back, prefeito de São Martinho; João Batista Boing, secretário municipal da Agricultura; e Patrícia Helmann, secretária municipal de Turismo.

 O empreendimento é familiar, sendo o senhor Reni Schmoeller o detentor de grande parte das colmeias e sua filha, Suzane, e o genro, Fernando Heizen, os responsáveis pelo beneficiamento do mel. Os familiares realizam todo o trabalho, incluindo a comercialização.  Heizen constrói ele próprio as caixas das abelhas. 

Foto: IG Honig Haus

A tradição teve início em 1989, quando o mel produzido era comercializado em pequena escala para outros entrepostos. Com o aumento da produção, a empresa optou pela criação de uma marca própria e depois buscou auxílio técnico e financeiro para aprimorar o projeto, culminando com a conquista do selo.

Plinio de Castro destacou o pioneirismo de Santa Catarina, através da Cidasc,  na concessão do Selo Arte a  produtores artesanais no Brasil. “A presença da nossa equipe aqui é para dar o significado da importância que tem isso para o estado de Santa Catarina e do quanto o governo estadual valoriza esse tipo de atividade. Estamos empenhados nessa oportunidade que o Ministério da Agricultura deu ao pequeno produtor rural. Antes disso, a propriedade familiar  tinha muita dificuldade em se inserir no mercado nacional estando devidamente regulamentada”, afirmou o presidente da Cidasc.

Dez produtos artesanais catarinenses já receberam o Selo Arte, criado por lei federal. O diretor de Defesa Agropecuária, Diego Rodrigo Torres Severo, destacou que a Cidasc chancela uma conquista do produtor e atesta que aquele produto tem qualidade para ser vendido em todo país. Assim, novos mercados se abrem para agroindústrias familiares.  Outros produtores artesanais do estado de Santa Catarina também podem buscar o mesmo reconhecimento, procurando a Cidasc para dar início ao processo. 

A Cidasc comprovou na auditoria, realizada in loco pelos médicos veterinários, que a Honig Haus adota Boas Práticas Agropecuárias e Boas Práticas de Fabricação, além do método artesanal de produção. A propriedade também já possuía registro no Serviço de Inspeção Municipal (SIM) de São Martinho. Desta forma, todos os requisitos para a homologação do Selo Arte foram atendidos. 

Os proprietários acreditam em expansão dos negócios a partir de agora, vendendo para todo país e também atraindo maior interesse dos visitantes que percorrem a rota turística na região. Ao receber a nota técnica e colocar o Selo Arte de forma simbólica nas embalagens do mel pela primeira vez, a sócia Suzane Schmoeller agradeceu a orientação e o empenho da engenheira agrônoma Walkiria May Roecker, responsável técnica da Honig Haus, para que a família atendesse aos melhores padrões sanitários no beneficiamento do produto. 

Suzane Schmoeller, sócia de Honig Haus – Foto: Jaqueline Vanolli / ASCOM Cidasc

Já o prefeito Robson Jean Back enfatizou o desejo de que mais empreendimentos em São Martinho sigam o exemplo das famílias Schmoeller e Heizen, primeira em toda região sul do estado a ganhar o Selo Arte. “Essa é uma grande realização. O fato de ser pioneiro também nos traz, além de uma grande alegria, o compromisso para que isso traga frutos para colhermos. O  ideal é que as propriedades se organizem para agregar valor naquilo que produzem”, disse o prefeito, que considera o Selo Arte um caminho para atingir esta meta e fixar novas gerações no município. 

O Selo Arte busca valorizar os produtos artesanais e suas características únicas. Elas estão presentes no mel da Honig Haus tanto pelo trabalho das famílias Schmoeller e Heinzen quanto pela natureza da região. O município de São Martinho faz parte da zona agroecológica Carbonífera, Extremo Sul e Colonial Serrana Catarinense, áreas relativamente homogêneas quanto a como clima, solo, vegetação e fauna. 

O sul do estado de Santa Catarina possui uma vegetação predominantemente silvestre, composta por espécies conhecidas como Uva Japão, Tripa de galinha, Carqueja, Guanxuma Coqueiro, Erva Laguna, Casca Negra, Abacateiro, Flor de laranjeira, Flor de Pessegueiro, Araçá do mato, Vassoura Branca e vários tipos de cipós nativos. A floração disponível para as abelhas resulta em um sabor diferenciado para o mel. 

Fonte: Cidasc

Imagem de capa: Art Rachen on Unsplash

Também pode
te interessar:

Sistemas alimentares urbanos: desafios e oportunidades
Data: 27/07/2021 Tempo: 03min Categoria: Opinião

Sistemas alimentares urbanos: desafios e oportunidades

Atualmente mais da metade da população mundial vive em áreas urbanas e até 2050 espera-se que essa fatia chegue a 75%

Mel de Melato de Bracatinga recebe Indicação Geográfica
Data: 22/07/2021 Tempo: 07min Categoria: Cadeia Produtiva

Mel de Melato de Bracatinga recebe Indicação Geográfica

Santa Catarina conquistou nesta terça-feira, 20, a Indicação Geográfica (IG) do Mel de Melato da Bracatinga na

Charcutaria de Florianópolis inova na produção de embutidos com produtos locais e orgânicos
Data: 21/07/2021 Tempo: 04min Categoria: Gastronomia

Charcutaria de Florianópolis inova na produção de embutidos com produtos locais e orgânicos

Mais famosa pelos restaurantes de frutos do mar, a rota gastronômica da Lagoa da Conceição, em Florianópolis, guarda