Data: 24/03/2020 Tempo: 04min de leitura Categoria: Alimentação Visualizações: 84 visualizações
Por: Observatório da Gastronomia

A Autoridade Europeia de Segurança dos Alimentos, quando avaliou o risco em outras epidemias da mesma família de vírus, não encontrou nenhum indício.

Por: Ascom/Anvisa
Publicado: 21/03/2020 16:26
Última Modificação: 21/03/2020 17:15

Uma dúvida recorrente é se o novo coronavírus pode ser transmitido por meio dos alimentos. A resposta é: não há nenhuma evidência a esse respeito. A Autoridade Europeia de Segurança dos Alimentos (European Food Safety Authority – EFSA), quando avaliou esse risco em outras epidemias causadas por vírus da mesma família, concluiu que não houve transmissão por alimentos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a OMS, o comportamento do novo coronavírus deve ser semelhante aos outros tipos da mesma família. Assim sendo, ele precisa de um hospedeiro – animal ou humano – para se multiplicar. Além disso, esse grupo de vírus é sensível às temperaturas normalmente utilizadas para cozimento dos alimentos (em torno de 70ºC).

A dinâmica dessa pandemia mostra que a transmissão tem ocorrido de pessoa a pessoa, pelo contato próximo com um indivíduo infectado ou por contágio indireto, ou seja, por meio de superfícies e objetos contaminados, principalmente pela tosse e espirro de pessoas infectadas.

O fato é que o vírus pode persistir por poucas horas ou vários dias, a depender da superfície, da temperatura e da umidade do ambiente, mas é eliminado pela higienização ou desinfecção. Assim sendo, uma das estratégias mais importantes para evitar a exposição é redobrar os cuidados com a higiene. Os cuidados básicos na manipulação de alimentos previnem, aliás, uma série de outras doenças.

Princípios básicos de higiene

Nos serviços de alimentação e nos ambientes domésticos, é importante observar os seguintes princípios básicos de higiene:

1- Quem prepara os alimentos deve lavar as mãos com frequência e, principalmente, depois de:

  • Tossir, espirrar, coçar ou assoar o nariz.
  • Coçar os olhos ou tocar na boca.
  • Preparar alimentos crus, como carne, vegetais e frutas.
  • Manusear celular, dinheiro, lixo, chaves, maçanetas, entre outros objetos.
  • Ir ao sanitário.
  • Retornar dos intervalos.

2- Ao lavar as mãos, use bastante água corrente e sabão líquido ou outro produto destinado ao mesmo fim (leia as informações na embalagem). Não se esqueça de esfregar bem todas as áreas das mãos, incluindo as pontas e as regiões entre os dedos, além dos punhos. Conheça as orientações para correta higienização das mãos.

3- Mantenha as unhas curtas, sem esmaltes, e não use adornos que possam acumular sujeiras e microrganismos, como anéis, aliança e relógio.

4- Não converse, espirre, tussa, cante ou assovie em cima dos alimentos, superfícies ou utensílios. A recomendação vale para o momento do preparo e na hora de servir.

5- As superfícies e utensílios que entram em contato com os alimentos devem estar limpos. Use saneantes, ou seja, produtos de limpeza devidamente regularizados na Anvisa e que sejam indicados para a respectiva finalidade. Para isso, confira as informações na embalagem do produto.

6- Dê mais atenção à higienização das superfícies ou utensílios após a manipulação de carnes cruas ou vegetais não lavados. Esses alimentos são reconhecidos como fonte de contaminação de doenças transmitidas por alimentos (DTAs).

7- Quando uma pessoa com doença infecciosa for manipular um alimento, é preciso avaliar se há risco de o agente da doença ser transmitido. Nos serviços de alimentação, a doença deve ser relatada ao supervisor, que dará as orientações sobre como proceder.

8- Cozinhe bem os alimentos, uma vez que muitos dos agentes transmissores da doença são sensíveis ao calor. No caso de alimentos que são habitualmente consumidos crus, deve-se ter atenção redobrada com a procedência e a higiene.

9- Não use e não compre produtos com embalagens amassadas, estufadas, enferrujadas, trincadas, com furos ou vazamentos, rasgadas, abertas ou com outro tipo de defeito. Limpe bem as embalagens antes de abri-las.

Fique ligado

Serviços de alimentação: os cuidados aprovados estão contidos nas regras aprovadas pela Vigilância Sanitária, inclusive na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) 216/2004, que dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. Confira também a Biblioteca de Alimentos da Anvisa.

Para outras informações sobre cuidados de higiene no preparo de alimentos e sobre as Boas Práticas nos Serviços de Alimentação, consulte a Cartilha sobre Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

Obs.: A Anvisa disponibiliza um curso on-line e gratuito a respeito das boas práticas para manipuladores de alimentos. Acesse.

Fonte: ANVISA

Também pode
te interessar:

Cardapioteca – acervo de cardápios e menus como fonte de informação
Data: 15/06/2021 Tempo: 01min Categoria: Formação

Cardapioteca – acervo de cardápios e menus como fonte de informação

A Rede de Bibliotecas do Senac SC iniciou o processo de criação da Cardapioteca – um acervo de cardápios de

Festival online apresenta possibilidades de uso gastronômico da uvaia
Data: 14/06/2021 Tempo: 02min Categoria: Cidade Criativa

Festival online apresenta possibilidades de uso gastronômico da uvaia

Em comemoração ao Dia Mundial da Gastronomia Sustentável, em 18 de junho, um festival online vai trazer receitas com

Observatório Indica
Data: 11/06/2021 Tempo: 04min Categoria: Atualidade

Observatório Indica

Toda semana uma seleção de conteúdo cultural, técnico e/ou científico sobre o universo da Gastronomia e